Grande expectativa para conter a criminalidade crescente

28/11/2017

Há uma expectativa grande na segurança pública com o início de trabalho dos 195 novos policiais civis formados ontem em Florianópolis. Embora ainda não seja a quantidade que diminuirá significativamente o déficit histórico da Polícia Civil, o reforço traz ganhos contra a criminalidade em tempos de recorde de mortes violentas na Capital e expansão das facções criminosas nos vários cantos de Santa Catarina.

O clima entre autoridades do meio policial e no governo do Estado é de alegria,otimismo e satisfação. Já entre os novos policiais, há um espírito de união e a promessa de contribuir diante da onda de insegurança e avanço da criminalidade.

Experiente em crises de violência nos últimos anos, o delegado Akira Sato, diretor da Academia da Polícia Civil (Acadepol),afirmou que esta é a primeira vez que os formados saem com "know-how" em apurações complexas de diversos crimes. Entram nesta lista, por exemplo,técnicas em interceptações telefônicas e dinâmicas para investigar homicídios e organizações criminosas.

- Foram 20 oficinas de investigações buscando o nosso foco, o nosso carro chefe que é a investigação e que a gente é especialista - disse Akira sobre os cinco meses de formação.

Com a entrada dos novos policiais, haverá distribuição da maior parte de agentes e delegados para Florianópolis, Joinville e Blumenau - para isso foi levada em conta a chamada mancha criminal. A Capital terá mais cinco delegados e 14 agentes. Mas é preciso lembrar que o restante do Estado também sente ausência de policiais civis e da investigação de crimes de médio ou pequena complexidade que afetam o dia adia da população.

Ampliar as centrais de investigação pode ser uma medida acertada dos comandos da segurança neste momento como foi feito no norte da Ilha e Continente, na Capital.Com mais de 100 mil habitantes, o sul da Ilha, por exemplo, carece de uma equipe na apuração de delitos e de uma nova delegacia.Outra reivindicação interna seria por um remanejamento de policiais nas delegacias da Grande Florianópolis a fim de melhorar a capacidade de trabalho das estruturas.